Sunday, May 1, 2011

Como matar o bebé da vizinha

Como matar o bebé da vizinha. Primeira conclusão: desejar muito não chega.

18 comments:

  1. vá.......diz lá de quantos minutos conseguem ser os momentos de choro......se bem que podes sempre desejar o mesmo aos pais! (uuuuuuuuuuhhhhh)numa escala de 0 a 10 da maldicência....isto talvez tenha sido um 6,5?

    ReplyDelete
  2. o pior é que acho que não é o bebé da vizinha, mas o gato de outra vizinha, que foi passar a semana fora e deixou o gato em casa. ora o gato lamenta-se pelos cantos, com um eeh ehh ehh ehh gutural muito irritante.

    ReplyDelete
  3. ui,......... isso é mesmo muito mau! Não poderás ligar para a liga protectora dos animais e apresentar queixa? Uma amiga minha teve uma situação semelhante com um cão.......durou uma semana..........o cão já quase não emitia som no final..imagina o cansaço ..............há animais que não merecem os humanos que têm!

    ReplyDelete
  4. uma vizinha amiga dela vem passar umas horas com o bicho, para fazer-lhe companhia, mas não sei se o faz todos os dias nem por quanto tempo. de resto, o bicho fica a chamar a atenção.

    ReplyDelete
  5. bless him.........e tu eras gajo para ter um cão? ou gato? já pensaste nisso?
    Acredita que há dias em que um olhar e a recepção de um cão podem fazer milagres pela nossa disposição.

    ReplyDelete
  6. graças a uma namorada com quem vivi, tive uma cadela, uma gata, um hamster e duas cobaias. não sinto a falta de nenhum.

    ReplyDelete
  7. isso já era "gente" a mais também........LOL

    deixa-me adivinhar, a cadela era uma Caniche (vulgo Poodle) ou Chihuahua....esses também não gosto, costumam ser muito stressadinhos e falsos.

    Acho que um cão ideal para ti seria um boxer
    http://www.eukanuba.pt/pt-PT/topbreeds/boxer.jspx

    ReplyDelete
  8. a cadela era um dingo amarelo. o veterinário disse que era arraçada de labbador, daí amarela, mas tinha orelhas espetadas para cima, focinho de raposa e tronco atlético e fininho como o de um galgo. daí, dingo.

    a gata era era uma bebé vadia, toda preta, de cauda comprida. os hamsters eram dois ratos tamanho foca e o hamster era amarelo.

    ReplyDelete
  9. dingo? arraçada de labrador ??? o labrador tem um focinho bem diferente para além do seu porte bem mais entroncado........devia ser mesmo muito pouco arraçada, ou então foi estratégia de marketing de quem vendeu à tua ex LOL!

    ReplyDelete
  10. a cadela foi obtida através da união zoófila, não custou um tostão, a não ser pela vacinação.

    o médico disse que tinha visto, numa propriedade perto de onde morava, uma cadela que tinha dado à luz e ninguém olhava por ela. pelo aspecto dos filhotes, disse serem raçados de labrador, mas que a mãe era uma cadela normal, de raça vadia. nós aceitámos a bola de pêlo com mês e meio, mas com cerca de alguns meses o aspecto foi-se aproximando mais do de um galgo, em termos de porte, e de uma raposa, em termos de focinho e cor. o aspecto, em cão, mais parecido é o de um dingo, mas amarelo em vez de cinzento.

    ReplyDelete
  11. ainda existe a união zoófila?

    lembro-me de uma reportagem em que a gerente (se é o nome adequado aqui?) pedia encarecidamente apoio pois tinham já (isto deve ter sido há já mais de 2 anos) perto de 1500 cães.

    na Moita também há uma instituição que acolhe animais abandonados.........a minha mana estava a pensar dar em ir lá visitar e acolher um cão que daria como presente ao meu sobrinho mais velho.......a ideia não passou da porta.....há que dar mais tempo para que a ideia vá amadurecendo ....ele ia adorar.

    ....não Ricardo, despensa : -)

    ReplyDelete
  12. para se ser malicioso, é preciso ter-se os instrumentos. neste caso, seria a arma vocabular.

    acredito que queiras dizer que eu não me lembre de comprar um cão à tua irmã (ideia absurda), o que ela dispensa, a menos que o guarde na despensa.

    ReplyDelete
  13. o episódio com a União Zoófila deu-se em 1996, portanto não sei se as condições do abrigo teriam alguma correspondência com as actuais.

    ReplyDelete
  14. não Ricardo, eu queria mesmo dizer despensar (palavra criada como achava que irias perceber........ou não poderemos nós criar de vez em quando uns vocábulos, mesmo que não façamos triologias em torno de nenhum anel....dá-nos gozo : -), no sentido em que caso pudesses ter pensado em oferecer um cão não à minha irmã mas ao seu filhote, para não pensares, logo des-pensar.

    tenho de te explicar tudo gajo........assim perde a piada.....nem parece teu : -)

    ReplyDelete
  15. "triologia" a seguir a "despensar", foi muito bom.

    dar um cão ao filho da tua irmã ainda me parece absurdo maior. a que propósito?

    ReplyDelete
  16. http://corrector.blogs.sapo.pt/arquivo/046248.html

    ReplyDelete
  17. obrigada pela correcção do termo trilogia, de facto escrevi o termo incorrecto.

    ReplyDelete
  18. a que propósito é que um estranho haveria de oferecer um cão ao filho da tua irmã?

    ReplyDelete

Aqui

Total Pageviews

There was an error in this gadget

Followers

Blog Archive