Friday, September 9, 2011

bullies

Ela, a abrir limões para sangria, com uma faca de trinchar, na banca da cozinha:
- Ricardo, o que bebes?
- Qualquer coisa sem álcool, não sou esquisito.
- Aqui, quem não prova uma cachaça é porque veio ao engano.
- Acompanhas-me à porta?

9 comments:

  1. Espero que o Ricardo o tenha dito em tom leve, de brincadeira.

    ReplyDelete
  2. sim, o Ricardo não queria ir embora, mas não compreende aqueles que acham que sem álcool não se pode divertir.

    ReplyDelete
  3. Então a Patrícia também está no mesmo clube. :)

    Apesar de já ter bebido bastante em determinada ocasião (e verificado que é bastante resistente ao álcool, por sinal).

    ReplyDelete
  4. não gosto do sabor e não vejo porque insistir em algo que sabe mal e tem efeitos nocivos.

    mas quando experimentei também não fiquei alegre nem sonolento :)

    ReplyDelete
  5. Há uma bebida que acho muito agradável de sabor - qualquer coisa como "caipiblack" (sim, nome cretino). Uma amiga minha tem um namorado que é muito bom a cozinhar e a preparar drinks, e... foi nos meus anos.

    Somos dois guerreiros, Moura, está mais que visto.

    ReplyDelete
  6. outra bebida agradável de sabor é a amarula, mas há tantas coisas de sabor agradável, mantenho-me afastado daquelas que toldam o espírito.

    ReplyDelete
  7. É curioso. Primeiro somos animais instintivos e anárquicos. Depois reuimo-nos em sociedade e achamos que nos devemos comportar. Vêm as convenções, as repressões, as restrições... E às vezes é cómodo não as termos, mas elas não se cortam assim, sem mais nem menos, em especial quando estamos com quem não nos é próximo e debaixo de tectos públicos e que nos são estranhos... Então as drogas ajudam lindamente nisso - e eis que os animais sociais se descivilizam e desinibem e esquecem e se desprendem por umas horitas.
    Algo irónico, hem...?

    ReplyDelete
  8. a questão é essa, precisar de beber para desinibir é o mesmo que precisar de despertador para acordar, não é natural.

    eu prefiro ser desinibido sempre que me apetece, sem desculpas. o meu discernimento é que conta.

    ReplyDelete

Aqui

Total Pageviews

There was an error in this gadget

Followers

Blog Archive